Foi dada a largada para a Meia Maratona José Nardel

Nessa quinta-feira, 6, teve início o período para as inscrições na corrida de rua mais tradicional do Norte de Minas: a Meia Maratona José Nardel. A prova será realizada no dia 30 de junho, o último domingo antes do aniversário de Montes Claros, que completará 167 anos em 3 de julho, e terá percursos de 7 e 21 km. Desta forma, os interessados em participar deverão ficar atentos, uma vez que a corrida tem vagas limitadas e vários benefícios muito valorizados pelos praticantes da modalidade. Entre os atrativos está o percurso inédito, que passará por diversas áreas verdes da cidade (Parque da Paz, Sagarana, Milton Prates, dos Mangues e Sapucaia); a distância de 21 km, uma vez que são pouquíssimas provas na região que disponibilizam essa opção; o kit recheado com camiseta, ecobag, toalha de rosto e par de meias; o valor da inscrição (R$ 50), abaixo do que tem sido praticado nas corridas de rua; a premiação em dinheiro para os atletas mais bem colocados (até R$ 15 mil!); o horário de largada (7 horas) mais cedo, para se evitar o sol intenso… O evento é organizado pela Prefeitura de Montes Claros, através da Secretaria de Esportes e Juventude, e foi concebido como uma construção coletiva, que contou com a participação de representantes de grupos de corrida da cidade. Não podia dar outra coisa! Agora, é com vocês! As vagas são limitadas e as inscrições poderão ser realizadas, a partir dessa quinta-feira, pelo site www.g5sports.net.br. Outra coisa: a inscrição é gratuita para maiores de 60 anos, nos 7 e 21 km, e para pessoas com deficiência vinculadas às instituições filantrópicas de assistência de Montes Claros, nos 7 km. Já os estudantes terão direito à meia entrada, desde que apresentem comprovante de matrícula ou carteirinha estudantil na entrega do kit, que se dará nos dias 27 e 28, entre 8 e 17 horas, e no dia 29, de 8 às 12 horas, na sede da Secretaria de Esportes, na Praça dos Jatobás. (Ascom/ Prefeitura de Montes Claros)

Conselho de Ética arquiva processo contra Janones e revolta Nikolas

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados arquivou um processo disciplinar aberto contra André Janones (Avante-MG) por acusação de integrar suposto esquema de desvio de recursos públicos, a “rachadinha”. O colegiado decidiu, por 12 votos a 5, não aceitar a denúncia do PL que pedia sua cassação. Após a votação, ele foi hostilizado por deputados bolsonaristas, trocou empurrões com alguns parlamentares e quase teve um confronto físico com Nikolas Ferreira (PL-MG). Janones teve que ser escoltado pela Polícia Legislativa até a saída do plenário. A denúncia contra ele foi motivada por uma mensagem de áudio em que o deputado mineiro aparece dizendo a assessores que eles teriam que devolver parte do salário para abater um prejuízo na campanha eleitoral de 2016. A votação seguiu o parecer do relator do caso, o deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP), que argumentou que o processo não deveria prosseguir por tratar de “fatos ocorridos antes do início do mandato”. “Não há justa causa, pois não há decoro parlamentar, se não havia mandato à época — o que foge do escopo, portanto, do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar — o mesmo caso visto agora”, afirmou o parlamentar. Após o arquivamento do processo, bolsonaristas partiram para cima de Janones aos gritos de “rachador” e “covarde”. Ele ficou em silêncio por alguns minutos e reagiu posteriormente, chamando Nikolas, que estava fazendo provocações, para uma briga fora das dependências da Câmara. O plenário onde a reunião ocorria foi esvaziado após decisão do presidente do órgão, o deputado Leur Lomanto Júnior (União-BA). Assessores, visitantes e jornalistas foram retirados do local depois da briga entre os parlamentares. Conselho de Ética arquiva denúncia contra Janones e sessão acaba em briga ➡️ Os mais exaltados eram Nikolas Ferreira (PL-MG) e Zé Trovão (PL-SC), que precisou ser segurado por um policial legislativo pic.twitter.com/RV2qsOaLVF — UOL Notícias (@UOLNoticias) June 5, 2024

Sindpol faz manifestação em frente a casa do governador Romeu Zema

Na manhã desta quarta-feira (24), o Sinndicato dos Servidores da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais – Sindpol/MG – e as demais entidades de classe marcam presença em manifestação que teve início às 7h na porta da casa do Governador Romeu Zema. O movimento, como sempre, foi pacífico e ordeiro e teve como principal objetivo, manifestar a luta em busca dos direitos da Polícia Civil e de sua categoria. A iniciativa teve como base a nossa indignação perante as ações negligentes relacionadas ao investimento nos servidores públicos por parte do Governador Romeu Zema, que até então, está em dívida com a segurança de Minas Gerais e mesmo tendo recebido várias solicitações de uma solução conveniente para o problema, não nos dá retorno e não escuta a categoria, comentou Breno Almeida, Diretor de Mobilização do Sindpol/MG. Vale ressaltar que, tal dívida citada refere-se à recomposição das nossas perdas inflacionárias, que estão acumuladas há sete anos e chegam a 41,6% de defasagem. Diante disso, fica nítido a importância desse tipo de ato, uma vez que a segurança pública está nas mãos de um Governador que vem falando mentiras e compartilhando propagandas enganosas, não somente para os servidores, mas também, para a população mineira. Por isso, faça parte dessa causa! Você, policial civil, filie-se ao Sindpol/MG. Vamos juntos nessa jornada para que os nossos direitos sejam garantidos pelo Governo, a reação tem que ser agora.

Haddad quer união internacional para taxar super-ricos

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, propôs nesta quarta-feira (28) que os países de todo o mundo se unam para taxar as grandes fortunas.   “Precisamos fazer com que os bilionários do mundo paguem a sua justa contribuição em impostos. Além de buscar avançar as negociações em andamento na OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico] e ONU [Organização das Nações Unidas], acreditamos que uma tributação mínima global sobre a riqueza poderá constituir um terceiro pilar da cooperação tributária internacional”, defendeu. Haddad abriu a 1ª Reunião de Ministros de Finanças e Presidentes de Bancos Centrais da Trilha de Finanças do G20. O ministro, que deveria presidir os trabalhos, fez seu discurso por transmissão de vídeo. No fim de semana, ele foi diagnosticado com covid-19. Desigualdade O enfrentamento à desigualdade e às mudanças climáticas foram apontados por Haddad como os principais desafios a serem enfrentados de forma conjunta pelos países que compõem o grupo das 20 maiores economias do planeta. “Precisamos entender a mudança climática e a pobreza como desafios verdadeiramente globais, a serem enfrentados por meio de uma nova globalização socioambiental”, enfatizou. Para o ministro, a desigualdade social deve estar no centro das análises e dos planejamentos econômicos. “Acreditamos que a desigualdade não deve ser apenas tratada como uma preocupação social, um mero corolário da política econômica. A nossa política é centrar a desigualdade como uma variável fundamental para análise de políticas econômicas. Queremos desenvolver as ferramentas analíticas mais adequadas para isso”, disse. O abismo que separa os super-ricos das populações mais pobres está relacionado, segundo o ministro, também à questão climática. “Chegamos a uma situação insustentável em que o 1% mais rico detém 43% dos ativos financeiros mundiais e emitem a mesma quantidade de carbono que os dois terços mais pobres da humanidade”. Nesse contexto, Haddad vê os países menos desenvolvidos economicamente mais prejudicados pelos prejuízos causados pelas mudanças no clima mundial. “A crise climática ganhou força, tornando-se uma verdadeira emergência. Países mais pobres devem arcar com custos ambientais e econômicos crescentes, ao mesmo tempo que veem suas exportações ameaçadas por uma crescente onda protecionista”, ressaltou. O ministro pediu que seja feito um novo entendimento sobre globalização e cooperação internacional, diferente do que ocorreu nas décadas anteriores e vem sendo rejeitado por diversas populações em todo o mundo. “A atual reação à globalização pode ser atribuída ao tipo específico de globalização que prevaleceu até a crise financeira de 2008. Até então, a integração econômica global se confundiu com a liberalização de mercados, a flexibilização das leis trabalhistas, desregulamentação financeira e a livre circulação de capitais. As crises financeiras resultantes causaram grandes perdas socioeconômicas”. Fonte: Agência Brasil

Militante histórico, Aroldo Pereira pede desfiliação do PT de Montes Claros

O poeta e agitador cultural Aroldo Pereira, militante histórico do Partido dos Trabalhadores (PT) anuncia que está em processo a sua desfiliação dessa sigla partidária. Apesar de conceber o PT como um dos maiores instrumentos das lutas sociais e populares, tendo participado desde o momento da sua fundação e organização no município de Montes Claros, Aroldo Pereira percebe agora a necessidade de mudar os rumos da sua atuação política, mas sem abandonar o campo progressista próprio da esquerda. Um dos principais quadros do PT no município, Aroldo Pereira já disputou cinco eleições para vereador, contribuindo de maneira ampla e coerente nos debates e ações em torno dos propósitos do partido para a implementação de medidas sociais na cidade. Destacando-se sobretudo nas áreas cultural e literária, Aroldo Pereira é o idealizador e coordenador do Festival de Arte Contemporânea Psiu Poético que acontece anualmente há quase quarenta anos. Com o seu trabalho reconhecido por artistas, intelectuais e escritores de várias partes do Brasil, Aroldo Pereira é também servidor público municipal concursado, sendo que atuou como secretário municipal adjunto da Secretaria Municipal de Cultura no período em que Sued Botelho, também do PT, foi vice-prefeito de Montes Claros,na administração de Athos Avelino. Além disso, Aroldo Pereira foi um dos fundadores do Sindicato dos Servidores Públicos de Montes Claros, tendo participado também como membro da sua direção. Caso confirmada a desfiliação de Aroldo Pereira, o PT municipal perderá um militante de grande atuação.

Blocos de Carnaval de Belo Horizonte unem-se contra postura de Romeu Zema

“Não é de hoje que agentes públicos e privados tentam divulgar que são eles os responsáveis pela festa popular”, dizem os signatários do manifesto Um manifesto assinado por 56 blocos de carnaval de Belo Horizonte critica a postura do governador Romeu Zema (Novo) em relação ao Carnaval. Sob o lema “Por um carnaval plural e com fomento para todos”, o documento alega que o governador de Minas Gerais está “tentando se apropriar da imagem de grande fomentador” do período carnavalesco. Segundo os signatários do manifesto, que será entregue ao Ministério Público Estadual e à Defensoria Pública, a atuação de Romeu Zema busca alimentar disputas com fins eleitorais. Além disso, os blocos dizem que o governo utilizou recursos destinados ao fomento dos trabalhadores da cultura como meio de autopromoção, carecendo de transparência, equidade e isonomia. Leia abaixo a íntegra do manifesto: Por um carnaval plural e com fomento pra geral Manifesto aberto a assinaturas de blocos. Formulário para assinatura ao final. A história de luta e resistência do carnaval belorizontino é tão antiga quanto a criação da própria cidade. Desde o seu surgimento, pelas mãos dos trabalhadores negros que construíram a capital, passando por sua existência comunitária e periférica, até a recente retomada festiva a partir de 2009, a experiência carnavalesca em BH, assim como no Brasil, é cultura popular, resultado da ação da sociedade. Acontece que já não é de hoje que agentes públicos e privados tentam, insistentemente, divulgar para o grande público que são eles os responsáveis pela festa popular. Só que não! Sem susto, assistimos desde o ano passado a um movimento de mão dupla ligado ao financiamento do carnaval da capital: de um lado, a negativa da iniciativa privada de investir recursos diretos na festa e, de outro, o governo estadual, inicialmente contrário à sua realização, tentando capturar a imagem de grande fomentador. Um movimento alimentando o outro. O investimento estadual no carnaval de BH é uma demanda histórica que vem sendo negligenciada pelo Governo Zema, ainda que a propaganda oficial queira divulgar o contrário. Tal negligência não impediu, no entanto, que o carnaval surja mais um ano com força. Neste contexto, o governo estadual vem atuando para alimentar disputas eleitorais com base na festa, adotando uma série de condutas questionáveis. A última – e bastante grave –, foi o posicionamento do governador, Romeu Zema, e do seu vice, Mateus Simões, dando liberdade para a atuação agressiva da polícia militar no carnaval. Praticamente um incentivo do governo ao abuso policial – “Quem não obedecer imediatamente à polícia vai tomar spray de pimenta mesmo, e com o aval do Governo de Minas. Isso é um aviso a todos os foliões”, disse o vice-governador em vídeo veiculado pela imprensa. Nós conhecemos bem os alvos preferenciais do spray, da borracha e da bomba. Enumeramos as demais condutas: 2º – destinam de forma orientada, recursos das Leis de Incentivo à Cultura que deveriam, na verdade, fomentar diretamente os fazedores de cultura na ponta. Ou seja, o estado utiliza a verba de um mecanismo de fomento à sociedade civil para se autopromover a partir de recursos oriundos de empresas públicas. 3º – fazem uso desses recursos públicos sem transparência e sem mecanismos que garantam equidade e isonomia aos diversos segmentos da sociedade. É uma grana dirigida pela Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de forma discricionária! Vícios sérios que apontam arbitrariedade e até mesmo possíveis ilegalidades; 4º – estimulam a homogeneização e a centralização da festa, investindo pesado na cultura do evento do corredor de trios, em detrimento da diversidade festiva e da sua regionalização. Matéria que já foi alvo, inclusive, de reclamação junto ao Ministério Público; 5º – buscam transformar o carnaval em uma peça de publicidade turística, atraindo de forma irresponsável um número enorme de pessoas para a festa, sem considerar a capacidade da cidade para recebê-las, desrespeitando moradores e foliões. Diante desses fatos e das disputas interesseiras que estão em curso, os blocos que assinam esse manifesto vem publicizar o seu repúdio e exigir: 1) Que os recursos públicos destinados pelo governo do estado ao carnaval de BH sejam distribuídos por meio de mecanismos transparentes e republicanos, com acesso universal e respeitando a diversidade cultural e regional que caracterizam a festa; 2) Que o Ministério Público de Minas Gerais apure possíveis irregularidades do Estado de Minas Gerais no direcionamento dos recursos da Lei de Incentivo à Cultura e no uso dos recursos públicos das empresas estatais, direcionando tais recursos e antecipando a aprovação de projetos em possível desconformidade com o que estabelece a legislação; 3) Que sejam estabelecidos canais oficiais e efetivos de diálogo entre os poderes públicos estadual, municipal e a sociedade civil para definir as diretrizes do carnaval de Belo Horizonte; 4) Que haja um esforço articulado entre poder público e sociedade civil junto à iniciativa privada para pressionar, sobretudo os segmentos que mais lucram com o carnaval, como as grandes marcas de bebidas, empresas de transporte e o grande setor hoteleiro e de alimentação, para que invistam diretamente nos blocos de rua e em infraestrutura para a cidade parte dos recursos que a festa gera na sua realização; 5) Que a Defensoria Pública de MG e o Ministério Público Estadual tomem medidas preventivas para coibir possíveis arbitrariedades de conduta policial durante o carnaval. Subscrevem: Bloco – Regional Corte Devassa – Centro Sul Toca Raul Agremiação Psicodélica – Centro Sul Mama na Vaca – Centro Sul Bloco da Praia da Estação – Centro Sul Bloco da Bicicletinha – Centro Sul Filhos de Tcha Tcha – Nordeste Vira o Santo – Nordeste Sambô São Salvador – Noroeste Ôôô Glória – Noroeste Brócolis – Noroeste CarnaKolping – Noroeste Carna Rock SK8 – Noroeste Transborda – Noroeste Magnólia – Noroeste Bloco do Peixoto – Leste Tetê a Santa – Leste Blocomum – Leste Filhotes – Leste Tico Tico Serra Copo – Bloco Nômade Bloco do Manjericão – Bloco Nômade Cortejo do Zodíaco – Bloco Nômade Mineira System – Leste Lua de Cristal – Centro Sul Queimando o Filme –

Carnaval BH: blocos assinam manifesto contra Governo Zema

Manifesto assinado por 56 blocos pede ao MP e á Defensoria Pública apuração de eventuais irregularidades na distribuição de patrocínio Blocos de Carnaval de Belo Horizonte solicitaram ao Ministério Público e à Defensoria Pública a abertura de um procedimento para apurar eventuais irregularidades no direcionamento da Lei de Incentivo à Cultura e no uso de recursos das estatais para o patrocínio da festa em possível desacordo com a legislação. Um manifesto, assinado por 56 blocos de carnaval da capital mineira e divulgado na quarta-feira (24), denuncia a postura de Romeu Zema (Novo), em relação ao período da maior festa popular de Belo Horizonte. Com o mote “Por um carnaval plural e com fomento para geral”, o documento afirma que o governador de Minas Gerais está “tentando capturar a imagem de grande fomentador” do período carnavalesco. Para os signatários do manifesto, que será entregue ao Ministério Público Estadual e à Defensoria Pública, a atuação de Romeu Zema tem o objetivo de alimentar disputas, com fins eleitorais. “A história de luta e resistência do carnaval belo-horizontino é tão antiga quanto a criação da própria cidade. A experiência carnavalesca em BH, assim como no Brasil, é cultura popular, resultado da ação da sociedade. Não é de hoje que agentes públicos e privados tentam divulgar que são eles os responsáveis pela festa popular”, diz o texto. Os blocos também denunciam que o governo utiliza verba voltada para o fomento aos trabalhadores da cultura como forma de se autopromover, não tem transparência, equidade e isonomia na utilização dos recursos públicos. Além disso, o manifesto repudia a postura do vice-governador Mateus Simões (Novo), que recentemente deu declarações em coletiva de imprensa que, na avaliação dos signatários, estimulam “a atuação agressiva da Polícia Militar no carnaval”. Entre os blocos que assinam a carta, estão a “Corte Devassa”, o “Então, Brilha” e o “Magnólia”. Confira manifesto na íntegra: Por um carnaval plural e com fomento pra geral Manifesto aberto a assinaturas de blocos. Formulário para assinatura ao final. A história de luta e resistência do carnaval belorizontino é tão antiga quanto a criação da própria cidade. Desde o seu surgimento, pelas mãos dos trabalhadores negros que construíram a capital, passando por sua existência comunitária e periférica, até a recente retomada festiva a partir de 2009, a experiência carnavalesca em BH, assim como no Brasil, é cultura popular, resultado da ação da sociedade. Acontece que já não é de hoje que agentes públicos e privados tentam, insistentemente, divulgar para o grande público que são eles os responsáveis pela festa popular. Só que não! Sem susto, assistimos desde o ano passado a um movimento de mão dupla ligado ao financiamento do carnaval da capital: de um lado, a negativa da iniciativa privada de investir recursos diretos na festa e, de outro, o governo estadual, inicialmente contrário à sua realização, tentando capturar a imagem de grande fomentador. Um movimento alimentando o outro. O investimento estadual no carnaval de BH é uma demanda histórica que vem sendo negligenciada pelo Governo Zema, ainda que a propaganda oficial queira divulgar o contrário. Tal negligência não impediu, no entanto, que o carnaval surja mais um ano com força. Neste contexto, o governo estadual vem atuando para alimentar disputas eleitorais com base na festa, adotando uma série de condutas questionáveis. A última – e bastante grave –, foi o posicionamento do governador, Romeu Zema, e do seu vice, Mateus Simões, dando liberdade para a atuação agressiva da polícia militar no carnaval. Praticamente um incentivo do governo ao abuso policial – “Quem não obedecer imediatamente à polícia vai tomar spray de pimenta mesmo, e com o aval do Governo de Minas. Isso é um aviso a todos os foliões”, disse o vice-governador em vídeo veiculado pela imprensa. Nós conhecemos bem os alvos preferenciais do spray, da borracha e da bomba. Enumeramos as demais condutas: 2º – destinam de forma orientada, recursos das Leis de Incentivo à Cultura que deveriam, na verdade, fomentar diretamente os fazedores de cultura na ponta. Ou seja, o estado utiliza a verba de um mecanismo de fomento à sociedade civil para se autopromover a partir de recursos oriundos de empresas públicas. 3º – fazem uso desses recursos públicos sem transparência e sem mecanismos que garantam equidade e isonomia aos diversos segmentos da sociedade. É uma grana dirigida pela Secretaria Estadual de Cultura e Turismo de forma discricionária! Vícios sérios que apontam arbitrariedade e até mesmo possíveis ilegalidades; 4º – estimulam a homogeneização e a centralização da festa, investindo pesado na cultura do evento do corredor de trios, em detrimento da diversidade festiva e da sua regionalização. Matéria que já foi alvo, inclusive, de reclamação junto ao Ministério Público; 5º – buscam transformar o carnaval em uma peça de publicidade turística, atraindo de forma irresponsável um número enorme de pessoas para a festa, sem considerar a capacidade da cidade para recebê-las, desrespeitando moradores e foliões. Diante desses fatos e das disputas interesseiras que estão em curso, os blocos que assinam esse manifesto vem publicizar o seu repúdio e exigir: 1) Que os recursos públicos destinados pelo governo do estado ao carnaval de BH sejam distribuídos por meio de mecanismos transparentes e republicanos, com acesso universal e respeitando a diversidade cultural e regional que caracterizam a festa; 2) Que o Ministério Público de Minas Gerais apure possíveis irregularidades do Estado de Minas Gerais no direcionamento dos recursos da Lei de Incentivo à Cultura e no uso dos recursos públicos das empresas estatais, direcionando tais recursos e antecipando a aprovação de projetos em possível desconformidade com o que estabelece a legislação; 3) Que sejam estabelecidos canais oficiais e efetivos de diálogo entre os poderes públicos estadual, municipal e a sociedade civil para definir as diretrizes do carnaval de Belo Horizonte; 4) Que haja um esforço articulado entre poder público e sociedade civil junto à iniciativa privada para pressionar, sobretudo os segmentos que mais lucram com o carnaval, como as grandes marcas de bebidas, empresas de transporte e o grande setor hoteleiro e de alimentação, para

Rolex de Bolsonaro repercute na mídia mundial – Por Altamiro Borges

 Após ganhar as manchetes na imprensa internacional como presidente negacionista e genocida, que causou milhares de mortes na pandemia da Covid-19, e por fazer o Brasil regredir à situação de pária no mundo, Jair Bolsonaro agora é destaque também como ladrão e contrabandista. Nos últimos dias, vários jornais abordaram o escândalo das joias e não pouparam o fascista nativo. A fama do vigarista se espraia pelo planeta. O britânico The Guardian ironizou: “‘Todo Rolex conta uma história’, afirmou certa vez o fabricante de relógios de luxo. A polícia brasileira acredita que esse slogan é particularmente verdadeiro quando se trata do relógio cravejado de diamantes no centro de uma investigação sobre a suspeita de furto de presentes oficiais de alto valor por pessoas próximas de Jair Bolsonaro – e possivelmente pelo próprio ex-presidente”. A reportagem ainda registrou que a operação da Polícia Federal contra serviçais do ex-presidente “foi chamada de Lucas 12:2 – uma referência à frase da Bíblia: ‘Não há nada oculto que não venha a ser revelado, ou escondido que não venha a ser conhecido’. O nome parecia ser uma referência zombeteira a um dos principais bordões de Jair Bolsonaro, do Evangelho de João: ‘Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará’”. “Imagem de homem do povo” está abalada Já o francês Le Monde informou que o fascista nativo é suspeito de ter desviado presentes da Presidência para “benefício pessoal”, contrabandeando artigos de luxo para os EUA após a vitória de Lula em 2022. Em março passado, o jornal Le Monde já havia descrito o envolvimento do fujão como “embaraçoso” e “extremamente constrangedor”, afirmando que o escândalo deixou “seriamente abalada” sua “imagem de homem do povo”. O diário O Público, de Portugal, afirmou que Jair Bolsonaro está em “maus lençóis” após as mensagens vazadas do seu ex-ajudante de ordens, tenente-coronel Mauro Cid, e das acusações feitas pelo hacker Walter Delgatti na CPMI dos Atos Golpistas. Em outra postagem, o jornal português analisou o pedido de quebra de sigilo fiscal e bancário do presidente fujão e da ex-primeira dama, Michelle Bolsonaro. Escândalo das joias e a “ironia de Bolsonaro” Por sua vez, o espanhol El País publicou artigo de opinião de Juan Arias intitulado “A ironia de Bolsonaro que está se afogando no escândalo das joias de ouro e diamantes”. O jornalista trata da diferença entre o discurso anticorrupção do ex-presidente e as acusações de envolvimento em várias maracutaias. Ele afirma ser irônico que Jair Bolsonaro possa ser preso pelo caso das joias e não por atitudes citadas como mais graves, como “a tentativa de golpe de Estado ou sua zombaria com a epidemia de covid”. “A história dessas joias poderia dar um filme de comédia sobre pequenos traficantes, como o fato de terem sido trazidas escondidas no fundo da mochila de um militar e de alguns desses objetos preciosos, como um colar de diamantes para a esposa de Bolsonaro, ainda estarem retidos na alfândega do Rio e ainda não terem sido recuperados”, ironizou Juan Arias no El País. Vale citar ainda o estadunidense Washington Post, que destacou a operação de busca e apreensão da Polícia Federal contra auxiliares do ex-presidente. Segundo a postagem, Jair Bolsonaro teria “supostamente” recebido US$ 70 mil pela venda ilegal de presentes de luxo. A reportagem também lembra o envolvimento do fascista nos atos golpistas do 8 de janeiro em Brasília e enfatiza que o presidente fujão está inelegível por oito anos. Altamiro Borges é editor do Blog do Miro

Vizinhos acusam Fred por sumiço de bois e vão à polícia fazer BO contra atleta

O ex-jogador Fred é acusado pelos seus vizinhos de recusar a devolução de três bois mestiços que entraram em seu terreno, cobrando pelo pasto que eles comeram para devolver os animais. De acordo com informações do jornalista Diego Garcia, no UOL, “há um ano, em agosto de 2022, eles fizeram um boletim de ocorrência na 20ª Delegacia de Polícia de Carlos Chagas (MG) relatando o caso. Eles apontam que entraram em contato com o responsável pela fazenda de Fred, no caso, sei pai, Juarez, que pediu reembolso pelo período que os bois estão em seu território”.

Senador bolsonarista viaja para denunciar “ditadura de Moraes” mas erra sede da ONU

Parlamentar viajou para Nova York, mas é o escritório de Genebra das Nações Unidas que recebe denúncias dessa natureza O senador bolsonarista Eduardo Girão (Novo-CE) acompanhou um grupo de parlamentares que viajou para Nova York nos últimos dias, onde entregariam nesta sexta-feira (21), no escritório da Organização das Nações Unidas (ONU), uma denúncia de “violação de direitos humanos” dos presos dos atos golpistas de 8 de janeiro. O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, seria o principal alvo da denúncia. Moraes “seria” o alvo da denúncia porque os parlamentares erraram não apenas a cidade, mas o continente onde poderiam fazer tal ‘denúncia’. Relatórios sobre violações de direitos humanos são recebidos pelo escritório da ONU em Genebra, na Suíça, e não em Nova York para onde os bolsonaristas viajaram. O documento tem aproximadamente 50 páginas e foi assinado por 52 parlamentares brasileiros. No entanto, o erro no endereço de entrega colocou tudo a perder. O Comitê de Direitos Humanos da ONU é um órgão multilateral e, como tal, qualquer denúncia, solicitação ou petição a ele endereçada deve ser entregue diretamente em seu endereço suíço. É regra.